Artigo: Workflow e grande formato: onde estamos?

Artigo: Workflow e grande formato: onde estamos?

Por Paul Lindström

Agora que a maioria da produção de grande formato é executada em sistemas digitais, ferramentas de workflow digital podem trazer um novo nível de eficiência e flexibilidade à maioria das operações de impressão.

Com a parte criativa de um projeto de impressão envolvendo a produção de grandes formatos, é necessário que a produção deva ser irrestrita e "selvagem" (permitindo que você pense fora da caixa); assim, há boas razões para ser mais pragmático e sensível quando se trata de planejar o lado operacional.

É fato que há frequentemente muita prototipagem acontecendo quando há uma experimentação de novos substratos e/ou opções de corte e dobra, mas mesmo o processo criativo pode e deve ser sistemático e seguir uma filosofia de produção moderna orientada ao processo.

De longe o padrão mais comumente usado em controle de processo é um aplicado em Sistemas de Gerenciamento de Qualidade ISO 9001, e no núcleo desta filosofia o PDCA, emprestado do guru da qualidade W. Edwards Deming.

A primeira letra no acrônimo P significa Planning (Planejamento), e aqui nós precisamos definir adequadamente as expectativas do projeto e criar uma especificação para isto. Você pode chamar isto de briefing se preferir, mas é importante gastar tempo nisto, para evitar stress e desapontamentos depois.

D significa Do (Fazer), e se nós falamos de um trabalho fictício, ou "primeira prova do conceito", é onde o teste e prototipagem toma lugar. Quando você considerar que tem uma solução viável para o projeto de impressão, nós podemos mover para o C, que significa Check (Checagem). Avaliar se o protótipo realmente funciona como esperado.

Se o projeto for um dipslay ou banner, cheque se as cores parecem OK nas conduções de visualização real, onde a impressão será usada - a cor percebida depende muito sobre que tipo de fonte de luz você usa.

A letra final A significa Act (Atuar). Esta é algo delicado. É onde você tem que tomar decisões sobre quais mudanças são necessárias, tanto em substratos, métodos de produção, opções de entrega e talvez alterações na tabela de tempo. Não é bom esperar pelo melhor, mas em vez disso tomar os passos necessários e ações assim que possível, sem arriscar o sucesso total do projeto.

Lembre-se, o grau de satisfação do cliente (comprador de impressão), está em como ele se sente não apenas sobre o produto final e que faz jus às suas expectativas, mas também como o processo foi gerenciado.

Nos círculos de gestão de qualidade o Modelo Kano é muitas vezes referido aqui - cuidado para que você não perca as expectativas que não foram ditas, considerando um ponto base. Tente e exceda as expectativas e você terá um cliente muito satisfeito.

 

Pense sobre o ciclo PDCA quando planeja seu projeto de impressão digital de grande formato. Permita tempo o suficiente para as etapas de planejamento e checagem, para garantir 100% de cumprimento. Diagrama por Karn. G Bulsuk

A chave é envolver seu cliente em cada decisão-chave que é feita, e comunicar antecipadamente se há problemas ou dificuldades imprevistas. Se você é um designer, tenha certeza que a gráfica tem total conhecimento do que você quer e coloque todas essas especificações no papel. Quando estiver em dúvida, pergunte. Uma boa e rica comunicação entre todas as partes é fundamental.

Cair nos padrões

Enquanto o processo criativo no estágio inicial do projeto necessita ter um "caminho livre", o processo de produção de impressão por outro lado deve seguir nos trilhos dos processos padronizados e gerenciados o quanto for possível.

Há diversos padrões ISO que se aplicam na produção digital de grande formato, como os formatos de arquivo e gerenciamento de cores, mas também em Gerenciamento de Qualidade geral. Nós não insistimos que uma gráfica necessariamente precisa ser certificada como ISO 9001, mas se for certamente não fará mal.

Certificado ou não, trabalhar através de Processos de Operação Padrão irá encurtar o tempo de preparação e início da impressão, e garantir que o resultado final atenda às especificações e expectativas.

Um sistema de workflow moderno inclui funções para preflight e prova online, assim como os passos de validação da qualidade de cor. O designer e/ou cliente de impressão pode acompanhar a produção através dos diferentes passos, e também ajudar a fornecer uma arte que se encaixe no propósito. Manter uma biblioteca de perfis de cor para todos os substratos, juntamente com o dispositivo de impressão usado, acelera e melhor o procedimento de calibração e configuração da impressora.

Isto ajuda muito se o sistema de workflow central pode conduzir todas as diferentes impressoras da gráfica. Se cada impressora tem um front end diferente, você terá muita manutenção - e treinamento pesado de configuração, o qual vai consumir tempo, gastos e é mais propenso a erros do operador.

Um dos importantes pontos de checagem em qualquer projeto de impressão é validar se as cores estão precisas. Aqui está um simplificado test chart de uma coluna que nós projetamos para esta tarefa, baseado em um da Idealliance. As amostras de cores são medidas usando um espectrofotômetro, e checado até que a tolerância estipulada pelo padrão que você refere não esteja excedido

Quando possível, uma referência de cor normalmente aceita, como um ISO 12647-2 de impressão litho offset, pode ser usada em dispositivos digitais de grande formato como um guia de cores. Ele significa que a aparência de imagens e cores, como por exemplo cores de merca, pode ser verificada usando o popular perfil-ICC chamado Fogra 39.

Este é um dos perfis padrão no Adobe Creative Suite e uma impressora digital de grande formato pode corresponder de forma bem próxima. Como resultado, uma grande campanha de impressão pode ser uniforme por diferentes mídias e métodos de impressão. Isto pode ser alcançado, mas apenas pelas impressoras mais colour-savvy ao redor do mundo.

Você ainda não terminou

Esta é uma tentação na maioria das produções de impressão para considerar o trabalho como terminado quando a impressão está feita. Mas especialmente na produção de grande formato, a instalação e entrega deve ser uma parte crucial do produto. Alguns filmes adesivos são difíceis de aplicar de uma forma profissional, então a montagem provavelmente deve ser parte do trabalho.

Para outros produtos como pisos feitos sob media e similares, a instalação deve provavelmente ser uma importante parte do planejamento e incluído na estimativa. E provavelmente também a remoção, se este é apenas para um display de curto prazo.

Alguns vinis adesivos são quase impossíveis de remover depois de um tempo, e se uma rápida troca de materiais display é necessária, o tempo de instalação e troca deve ser incluído em todo o planejamento do projeto.

Então gaste um bom tempo na etapa de planejamento e prepare o processo de produção tão bom quando você possa, e assim você terá sucesso com seus projetos de impressão digital em grande formato. E lembre o que disse Winston Churchill (especialmente verdade sobre impressão digital): "Nada é impossível. O impossível só leva um pouco mais de tempo".

Fonte: FESPA 

11 a 14 de Março de 2024
Segunda a quinta-feira das 13h às 20h
Pavilhão Azul do Expo Center Norte
São Paulo, SP - Brasil