Fotografia e rótulos fecham a Rodada de Inovação Epson & FESPA Brasil 2ª Edição

Fotografia e rótulos fecham a Rodada de Inovação Epson & FESPA Brasil 2ª Edição

As oportunidades de alcançar valor agregado na fotografia e nos rótulos foram os destaques do terceiro e último dia da Rodada de Inovação Epson & FESPA Brasil. Os participantes puderam entender mais sobre como reproduzir imagens perfeitas para setores com alta margem de lucratividade.

Assim como nos outros dias, a diretor de vendas Evelin Wanke e o presidente da Epson do Brasil Fabio Neves abriram os trabalhos e logo em seguida anunciaram o primeiro convidado do dia, o fotógrafo publicitário brasileiro Ricardo Rojas.

Rojas falou sobre a mobgrafia, basicamente a união entre fotografia e mobile, ou seja, uma fotografia de celular com uma qualidade tão boa que chega a ser exposta em um museu. Rojas é o fundador da mOgraphia Cultura Visual, que realiza ações exatamente para elevar o conceito que qualquer pessoa pode tirar fotos interessantes de um celular, sendo uma produtora cultural com o maior movimento de fotografia em plataformas móveis da América Latina.

Rojas falou da transição em todas as áreas da fotografia com a entrada da fotografia digital, pois com ela em uma única ferramenta (o smartphone) é possível capturar, editar e compartilhar, e estão cada vez mais potentes, tanto em poder de câmera como armazenamento.

O especialista organiza o Mobile Photo Festival, maior festival latino americano de mobgrafias, com a participação de grandes profissionais e também de qualquer pessoa que queira participar, pois a principal plataforma para envio de fotografia é o Instagram.

“Esse concurso coloca a fotografia impressa da pessoa na parede de um museu em uma exposição. E usamos tintas e papéis fotográficos Epson. Mesmo a foto no celular fica muito boa impressa, com um conjunto de tecnologia de uma impressora, tinta e papel conseguimos tirar o melhor para nós na parede de um museu”.

Rojas relata que os museus não estavam acostumados a expor uma fotografia de celular. Há oito anos ouvimos que as fotos estão tão incríveis que não parecem de celular. E cada vez mais eu vejo como muito importante imprimir. Primeiro para materializar aquele momento. E segundo porque você não saber o que vai acontecer com sua nuvem.

Linha fotografia

Pedro Zabotto e Willians Lotti, da Epson, falaram sobre a linha da empresa para o mercado fotográfico, especialmente a linha da Série P. As impressoras podem ser voltadas para arquitetos, decoradores, artistas plásticos, agências de publicidade, museus, fotógrafos e gráficas rápidas de prova de cor, atuando em diferentes tintas e papel, como Canvas, papel fotográfico brilho, fosco e uma ampla gama de materiais.

As impressoras fotográficas desktop P700 e P900 são da linha de entrada, para pessoas que têm a fotografia como hobby ou estão começando uma empresa. Elas se diferem em larguras e capacidade de cartucho de tinta. Ambas possuem 10 cores, wi-fi e fazem impressão com e sem borda, alcançando bons nuances em foto P&B.

Passando para a linha fine-art, há as P6000 e P8000, com tamanhos respectivos de 61cm e 112cm, podendo imprimir em folhas soltas e rolos, com cabeça de tecnologia Precision Core.

A P9570 é uma impressora de linha fotográfica de grande formato para fine art e muito usada para prova de cor. São 12 cores, largura de 112cm, velocidade 3 vezes mais rápida que a linha anterior e alta qualidade de reprodução, essencial para a prova de cor. E já pensando na impressa de grande formato em painéis, tem a P20000, com 10 cores, 160cm e focada em fine art para exposição em museus, por exemplo.

Voltando para a prova de cor, há impressoras menores como as P5000 e a P7570, com 11 e 12 cores, e larguras de 43cm e 51 cm.

Pensando no que é chamado de Mini Lab, há a D870, impressora de seis cores para fotógrafos em geral, empresas de evento, restaurantes, casa noturna e mais pontos que pensam em tirar e entregar fotos impressoras na hora, como por exemplo as cabines de fotografia. Ela tem fácil portabilidade, com as fotos já secas e recortadas, como no tamanho 10x15cm.

Fastframe Molduras

Rodrigo Pitangui Viegas, diretor da FastFrame Molduras, contou que a empresa possui mais de 20 anos na área de molduras. Há quatro anos, adquiriu o primeiro equipamento Epson, relatando um salto de qualidade. Agora, possui vários equipamentos da linha P.

Com 53 lojas espalhadas pela Brasil, a FastFrame precisava ter uma parceira com rapidez em entrega de suprimento, peças e serviços, o que foi alcançado com a Epson. A ideia agora é, gradativamente, implementar a impressão em mais lojas.

Rótulos

Sean Maximo, especialista de produto da Epson, relatou que hoje a Epson trabalha tanto em impressão inkjet como UV base água na parte de produção industrial de rótulos.

O digital, diz Sean, é muito falado como baixas e médias tiragens, mas com consistência ela pode passar o dia imprimindo. Entre seus pilares, há a customização massiva do rótulo, a personalização um a um que hoje é inviável no analógico. Há ainda uma otimização de custos com acerto de máquina, até da rapidez de entrega, com menor tempo de resposta.

A SurePress L-4533AW atua em rótulos e etiquetas não só nos pequenos volumes mas para suprir determinadas necessidades de ambientas gráficos com tecnologias analógicas, todo seu desenvolvimento pensado para esse segmento de mercado.

Ela tem fácil operação, sem necessidade de controle durante o processo. São sete cores: CMYK, laranja, verde, branco em linha. Pode trabalhar com mídias transparentes, metalizadas, e quando houver a necessidade de calço branco, já está acertada para tal.

Seu diferencial no digital é atuar bem com mídias não tratadas, oferecendo total compatibilidade com os materiais usados na flexo. Atua com papéis texturizados para rótulos premium e amplo gamut de cores, chegando a 91% da escala Pantone.

A L-6534VW é um modelo com tecnologia tinta cura UV, alta produção, velocidade de até 50 metros lineares por minuto. Estará disponível em breve no Epson Solution Center e já é sucesso na Ásia e América do Norte. Possui tecnologia de tinta com tamanho de gota variável para detalhes de reprodução muito ricos.

Atua com CMYK + branco e verniz digital, o qual pode ser aplicado em linha na imagem de maneira específica, em uma parte apenas, ou com verniz total. O verniz digital oferece muita diferenciação, podendo reproduzir diferentes aspectos do verniz: brilho, fosco, localizado, total, etc. Um mercado forte nesse sentido é o de cosméticos.

Case F&F Etiquetas

Rafael Ferreira, supervisor administrativo da F&F Etiquetas, falou que desde 1994 vende etiquetas para grandes lojas, e hoje tem amplo portfólio. Ele precisava de uma qualidade de impressão superior com baixa tiragem, algo que os clientes pediam muito.

Com a SurePress, conseguiu alta produtividade sem necessidade da mídia tratada, algo único em jato de tinta. Assim, conseguiu aliar baixas tiragens, com diferentes artes e custo operacional competitivo, reduzindo o desperdício de material. Um destaque foi a qualidade do BOPP metalizado com tinta branca.