Inspiração e tendências no mercado de envelopamento e decoração

Inspiração e tendências no mercado de envelopamento e decoração

Atualmente, o mercado de vinis para envelopamento automotivo e decoração possui uma gama sem limites de cores, texturas e estilos, aos mais diferentes perfis e necessidades. Porém, como as ideias surgem e como as pessoas vêm reagindo às novidades? Conversamos com Marcelo Souss, diretor da Alltak, sobre o assunto.

Quando o tópico é envelopamento automotivo, o especialista cita logo de início: “O que aprendemos dentro da Alltak? O que dita a regra do mercado automobilístico em cores e tendências é o que os grandes fabricantes inserem no mercado. Para criar uma cor, tenho que procurar o que será o destaque nos próximos meses”.

Marcelo possui uma estratégia interessante. Quando está no exterior, aproveita para ir até concessionárias perguntando quais são os lançamentos e suas cores. Porém, percebeu que até mesmo essa “estratégia” acabou sendo um caminho que, apesar de interessante, estava um pouco atrasado: “Quando o carro está na concessionária, eles já pensaram na cor, desenvolveram, foram atrás do pigmento e lançaram. O caminho já foi feito”.

Com isso, Marcelo passou a frequentar os Salões do Automóvel pelo mundo, onde estão as tendências. “É lá que são mostrados os protótipos dos carros do futuro. Passei a entender melhor o pensamento daqueles especialistas que criam os carros. Por exemplo: a Alltak ficou muito forte com a parte de textura. E como tivemos a ideia de colocar textura nos carros? Você pode perceber que todos os carros de futuro - protótipos - têm uma parte com textura nos carros, e assim passamos a produzir”.

As cores novas da linha Satin, por exemplo, tiveram sua inspiração vinda de uma visita ao Salão do Automóvel em Frankfurt. “Vimos que era uma tendência forte para o ano que vem. A marca já vai tirar o carro da fábrica fosco. A tendência hoje está considerando o adesivo como uma possibilidade, porque o carro sai de lá pintado. Porém, a pessoa que comprou o carro ano passado e agora quer que ele se pareça com o modelo do ano, o que vai fazer? Vai envelopar. Assim, ele tem a sensação de ter o ‘carro do ano’”.

Marcelo ressalta: “Preciso aproveitar a pesquisa que os grandes fabricantes do mercado realizam. Eu alimento o mercado através das tendências do próprio mercado. Estamos sempre com a antena ligada para poder desenvolver. Porque não é só inspiração, a ideia precisa estar embasada, ser viável. Uma cor envolve muita coisa como aspectos culturais e sociais. Não é simplesmente falar que é a cor do ano, é tudo que se fala sobre ela que faz ela crescer”.

O vinil e a decoração

E se o tópico é decoração, todo o processo criativo e de pesquisa é o mesmo do automotivo? Na visão de Marcelo Souss, não é assim. “Falar de decoração é virar uma chave do que falamos do automobilístico. São mercados e conceitos diferentes. Precisamos do auxílio de profissionais que de fato entendam, sejam especialistas nesse mercado”.

A primeira missão dentro da decoração hoje é mostrar às pessoas a vantagem que o produto traz para ela, antes de falar propriamente da estampa que está em cima do produto. E quais são as vantagens do adesivo para decoração? Em primeiro lugar, a obra seca, sem sujeira. “Precisamos levar aos aplicadores e ao consumidor final que uma obra não te dará transtorno nenhum. Estamos lutando para levar este conceito, porque há ainda uma resistência em relação ao plástico, ainda visto como um material secundário”.

Marcelo frisa que entra mais um tópico na conta: o decorador atualmente só quer falar sobre o papel de parede mais requintado. “Tem todo um conceito do decorador. Assim, começamos a entender o caminho que tínhamos que fazer para chegar nas pessoas e entrarmos em algo mais social. Qual o tamanho dos apartamentos hoje? Já há alguns de 15m2. Esse é o ponto onde entramos. Levamos conceito às pessoas”.

O profissional que atua na decoração precisa ficar sintonizado no tipo e simulação de material. Se hoje um tijolo ou cimento queimado é a moda, amanhã não será mais. E até aí o adesivo entra com vantagens: você pode refazer o projeto com muita facilidade e mudar sua decoração facilmente. “A decoração já é um faturamento relevante dentro da Alltak, mas é um número que pode crescer e talvez passar o envelopamento de carros. Mas, antes precisamos entender o conceito que precisa ser levado às pessoas e treinar a equipe”.

Formação de novo mercado e novos profissionais

Os profissionais de envelopamento automotivo e os de decoração são os mesmos? Marcelo Souss traz sua percepção: “O que eu percebo é que vem se criando um novo grupo, de jovens envelopadores especializados em decoração. Essa separação é boa porque é uma linguagem e uma comunicação diferentes”.

A Alltak vem produzindo materiais para dar pequenas noções aos novos profissionais da decoração. “Não é ensinar questões estéticas, porque gosto não se discute. Mas é dar dicas mais técnicas. O que começamos a falar: você tem sala pequena e quer dar a impressão de ser mais comprida? Põe elemento escuro no fundo, clareia parede. Quer parecer mais baixo? Escurece o teto”.

Assim, a empresa começa a dar elementos para que os profissionais levem algo além do plástico. É levar conceito, agregar elementos e ter a técnica para vender o produto. “Esse é o caminho que a Alltak está procurando, de levar a informação correta às pessoas. Então, a transformação é entender como comunicar as pessoas a vantagem do produto, e não só a estampa. Precisamos levar o que o vinil agrega às pessoas”.

O mercado de decoração hoje tem as revendas comprando os materiais, mas ainda está se comunicando muito pouco ao cliente final sobre a existência dessa solução, ou seja, que ele não precisa trocar a cozinha dele inteira, é só envelopar que fica nova.

Os cursos da Alltak auxiliam nesse sentido. Todo mês há cursos de envelopamento na fábrica em Guarulhos (SP). “Nos cursos muitos falam: quero aprender sobre decoração. E eu falo: não estou te ensinando a envelopar um carro ou uma geladeira, estou ensinando a usar vinil adesivo. Uma curva é uma curva, seja no carro, geladeira ou onde for”.

Em resumo, o desenvolvimento de produto tem como primeiro desafio o entendimento do vinil como solução. “O que vou colocar ‘em cima’ do vinil: tijolinho, cimento queimado? É uma questão comportamental. Qual a cor do ano, a cor do ano que vem? Vamos acompanhar a tendência porque, quando a pessoa percebe que aquilo é legal, nós já temos a solução para ela”.

Este pensamento, inclusive, é a essência da comunicação visual. “É comunicar o seu estilo. A decoração é uma forma de comunicar o seu jeito de ser. Essa é a essência da comunicação visual. Então na decoração é preciso ir além só do logotipo na porta branca, é agir na comunicação visual em sua essência”, finaliza Marcelo Souss.