• Artigo: Desperdício e culpa
24
Jul
2017

Artigo: Desperdício e culpa

Por Laurel Brunner publicado em FESPA.com

A indústria de papel tem feito um grande trabalho em ensinar os consumidores que o papel não deve ser jogador fora, pois ele pode ser reciclado.

Ela também tem feito um grande trabalho em ensinar às pessoas que os recursos são preciosos. No entanto, ainda há muito mais a ser feito para encorajar o uso de comunicações baseadas em papel.

Há, por exemplo, uma confusão considerável sobre a sustentabilidade da impressão, a qual continua a ser criticada porque ela mata árvores. A mensagem que a indústria de impressão é a única mídia de comunicação baseada em recursos renováveis ainda precisa ser melhor reiterada.

Da mais séria preocupação está o crescente uso da incineração em muitos mercados desenvolvidos. A incineração se mascara debaixo da bandeira da reciclagem e reflete o enérgico mercado em desenvolvimento de locais de incineração em larga escala, além de vendas e instalações.

Nós precisamos mudar a mensagem e lembrar aos comerciantes, consumidores e autoridades locais que "reciclar" tem um significado muito específico. Os processos de reciclagem estão estabelecidos nos mercados mais desenvolvidos, com consumidores fazendo a separação ou simplesmente fornecendo os materiais selecionados que serão queimados.

Mas eles não necessariamente entendem que isto é o que acontece aos seus materiais "reciclados". Autoridades locais seguem enviando materiais selecionados para incineração e chamam de reciclagem, porque os resíduos são transformados em energia.

Isto é um pouco alongado, mas aponta como a linguagem ambiental tende a ser apropriada para se encaixar a qualquer justificativa que seja necessária. Isto é o motivo pelo qual a indústria gráfica em geral e os profissionais de papel em particular, precisam fazer muito mais barulho para lembrar o que a reciclagem realmente é.

Reciclar significa converter resíduos em algo reutilizável; isto não significa converter resíduo em calor. Reciclar retorna o resíduo para fábricas de processamento onde ele pode se tornar uma nova matéria-prima, como papel ou têxteis. Isto não significa destruição.

Ligar incineração à reciclagem é grosseiramente enganador, mas ele fornece uma maneira livre de culpa de se livrar das perdas, de modo que as consciências fiquem limpas. Consumidores são basicamente preguiçosos e não querem se sentir culpados, então a ficção é uma conveniência para eles. A reciclagem de papel significa fazer dos resíduos do papel novos papéis. Qualquer outra coisa é incorreto.

Este engano colossal está reduzindo volumes de resíduos de papel que alcançam as cadeias de reciclagem. Isto irá causar aumento de preços do papel e quedas nas taxas de reciclagem, com isso há preços maiores para publicações impressas e redução da gama de papéis reciclados. Ele será também outro prego no caixão das massivas plantas de celulose e papel que não podem se adaptar às novas realidades do mercado.

Igualmente, ele pode criar novas oportunidades para pequenas operações dispostas a trabalhar, por exemplo, com os governos locais, para aumentar os volumes de perdas de papel vindo a eles, desencorajando a incineração e respirando vida nova para a reciclagem de papel.

Por Laurel Brunner

Fonte: FESPA.com